quinta-feira, 3 de março de 2016

Cinco dias em Jericoacoara: a viagem e a hospedagem (parte I)

Eu estava precisando de férias, precisando de uns dias só para mim. Como a grana estava curta, resolvi visitar pela segunda vez um badalado e importante destino turístico aqui do Ceará: Jericoacoara.  Cheguei a procurar o passeio por agência, mas só vale a pena para quem viaja de casal e não era o meu caso. Eu iria sozinha para Jericoacoara, mesmo após alguns casos de violência contra a mulher terem sido registrados na região. Obviamente, viajei com medo. Mas não desisti da minha aventura.

Então, vamos lá: o que eu tenho de melhor e de diferente para contar a vocês sobre Jeri? Primeiro, que eu fui de ônibus pela Fretcar.  Comprei minhas passagens pelo site da companhia (fretcar.com.br). Ida e volta deu R$ 123,85 (indo de ônibus convencional e voltando de vip, com o trecho Jijoca/Jeri já incluso).

Como fui durante a alta estação, achei a empresa bem desorganizada na hora do trecho (Jijoca/Jericoacoara), tanto na ida quanto na volta. Na ida, por exemplo, não cabia todo mundo na jardineira (veículo utilizado para fazer esse trecho da viagem). Daí, foi preciso um carro extra.  Já na volta, a jardineira atrasou quase uma hora. Apesar dos contratempos, ainda é a opção mais em conta para a viagem.

Em relação à hospedagem, escolhi o Hostel Villa Chic (http://www.villachicjeri.com). Já postei em alguns lugares o quanto fui surpreendida positivamente pela organização e limpeza do local. Paguei R$65 por noite em quarto coletivo feminino. Meu maior medo era não ter tomada para todo mundo no quarto, pois o meu celular é daqueles dependentes contínuos de carga. Para a minha surpresa, quem projetou o hostel pensou nisso e havia uma tomada para cada cama (assim como uma luz individual). Então, fiquei bem feliz com isso. Os banheiros também eram limpos. Lógico que, às vezes, estavam ocupados, mas realmente não me estressei com isso. Tive sorte com as minhas parceiras de quarto.

Por fim, para eu terminar essa parte sobre hospedagem, outra preocupação que eu tinha era com os meus pertences, mas havia abaixo de cada cama um gavetão com locker e a chave ficava com você. Senti-me bem mais segura com isso. Ah, e o café da manhã é sensacional, nem parece de albergue. Bom, não estou ganhando um centavo para fazer divulgação. Falo porque realmente fiquei encantada e gosto de compartilhar experiências positivas com os meus leitores. Nas próximas postagens, vamos falar sobre personagens de Jericoacoara, por que vale a pena visitar, as baladas, onde comer... Uma Jericoacoara como você nunca viu! Bjs!




sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Jornalista de Férias no programa "TV de bordo"

Que a gente adora contar as histórias das nossas viagens você já sabe, né? Mas agora a gente contou através do programa "TV de bordo" uma das nossas histórias preferidas. Se você quiser pular direto para a nossa participação, é só rodar a partir do 4:27.


segunda-feira, 6 de abril de 2015

Angra dos Reis por agência: pontos positivos e negativos dessa viagem

Olá, amigos viajantes!

Tirei uns dias de período sabático: aquele momento da vida em que é preciso repensar várias coisas e que você dá um freio em tudo. Então, resolvi conhecer um lugar que eu sempre quis ir, mas nunca tinha tido a oportunidade de realizar.

Resolvi fechar um "bate-e-volta" pela "Carioca Rio", que terceirizou o passeio com a "Tourist Club". Segundo o guia, isso é comum. Bom, o micro-ônibus estava bem conservado e a agência foi super pontual.

A viagem para Angra saindo do Rio de Janeiro é bem cansativa, pois são três horas de viagem. Saímos às 9h e chegamos lá por volta de meio dia. Inclusos no pacote estavam, além do transporte em van e o almoço, a viagem de veleiro e três paradas durante o percurso. As paradas são: na Ilha de Cataguás, na Lagoa Azul e na Ilha de Freguesia de Sant'Anna.

O passeio é ótimo, apesar de cansativo. Na Ilha de Cataguás, vale relaxar na piscina natural. Já na Lagoa Azul, num ponto do mar de maior profundidade, você nada ao lado de vários corais. Uma oportunidade impagável.

O único ponto negativo que destaco do pacote é o almoço. Entendo que é um "almoço caiçara". No entanto, o nível das comidas servidas é muito fraco. Fiquei com a sensação de estar almoçando naqueles bandejões de restaurante universitário. Creio que, pelo número de turistas que eles recebem diariamente, vale a pena rever a qualidade e a variedade de comidas oferecidas no almoço. Caso não seja possível, nem precisa oferecer "almoço no pacote".

No retorno, pegamos uma chuva muito forte. E o motorista não nos deixou no hotel, conforme acordado ao comprar o pacote. Como ele nos deixou num ponto relativamente próximo e o guia desceu para nos acompanhar, resolvi não fazer confusão por causa disso.

Apesar dos pesares, recomendo a agência. Em relação ao passeio, se você tiver mais tempo e dinheiro do que eu, é mais interessante ficar dois ou três dias em Angra. Há muito mais a conhecer... Afinal, são 365 ilhas. Preciso voltar!